Onde os Anjos não Ousam Pisar

( Zé Rodrix / Etel Frota )

 

Equilibrado na berada do abismo
Quem sabe caia, ou talvez vá voar
Noite cerrada, ferro, fogo, batismo
Anjo nenhum vai conseguir me escorar
Vai com açúcar ou prefere adoçante
Anjo-da-guarda se recusa a provar

Nada a perder, nada a ganhar
Enlouquecer ou delirar
E eu ainda insisto em andar
Onde os anjos não ousam pisar

Na matinê morro de tiro ou de tédio
Se Deus morreu quem é que vai me enterrar
Prifiro o brilho do meu próprio remédio
Anjo-da-guarda se recusa a olhar
A camisinha você trouxe meu bem
Deixa, meu anjo, que eu não vou gozar

Nada a perder, nada a ganhar
Enlouquecer ou delirar
E eu ainda insisto em andar
Onde os anjos não ousam pisar

Alma vazia, vendi todos os móveis
Levei na troca pó-de-pirlimpimpim
Luz na neblina, solidão, automóveis
Molhado asfalto das das esquinas de mim
Abandonado por meu próprio destino
Fazendo força pra seguir sem pensar
Dentro do peito agonizando o menino
Que se perdeu por que não soube chorar
Se não tem cura eu toco um tango argentino
Olhando o anjo que não sabe dançar

Nada a perder, nada a ganhar
Enlouquecer ou delirar
E eu ainda insisto em andar
Onde os anjos não ousam pisar

Onde eu passo sem ter que pensar
Nenhum anjo consegue voar...