Marvin

( R. Dunbar / G. N. Johson / Nando Reis / Sérgio Britto )

 

Meu pai não tinha educação 
Ainda me lembro, era um grande coração 
Ganhava a vida com muito suor 
E mesmo assim não podia ser pior 
Pouco dinheiro pra poder pagar 
Todas as contas e despesas do lar 
Mas Deus quis vê-lo no chão 
Com as mãos levantadas pro céu 
Implorando perdão 
Chorei, meu pai disse: Boa sorte, 
Com a mão no meu ombro 
Em seu leito de morte 
E disse 
Marvin, agora é só você 
E não vai adiantar 
Chorar vai me fazer sofrer. 
Três dias depois de morrer 
Meu pai, eu queria saber 
Mas não botava nem um pé na escola 
Mamãe lembrava disso a toda hora 
Todo dia antes do sol sair 
Eu trabalhava sem me distrair 
Às vezes acho que não vai dar pé 
Eu queria fugir, mas onde eu estiver 
Eu sei muito bem o que ele quis dizer 
Meu pai, eu me lembro, não me deixa esquecer 
Ele disse 
Marvin, a vida é pra valer 
Eu fiz o meu melhor 
E o seu destino eu sei de cor 
E então um dia uma forte chuva veio 
E acabou com o trabalho de um ano inteiro 
E aos treze anos de idade eu sentia todo o peso do mundo em minhas costas 
Eu queria jogar mas perdi a aposta. 
Trabalhava feito um burro nos campos 
Só via carne se roubasse um frango 
Meu pai cuidava de toda a família 
Sem perceber segui a mesma trilha 
Toda noite minha mãe orava 
Deus, era em nome da fome que eu roubava 
Dez anos passaram, cresceram meus irmãos 
E os anjos levaram minha mãe pelas mãos 
Chorei, meu pai disse: Boa sorte 
Com a mão no meu ombro 
Em seu leito de morte 
Marvin, agora é só você 
E não vai adiantar 
Chorar vai me fazer sofrer. 
Marvin, a vida é pra valer 
Eu fiz o meu melhor o seu destino eu sei de cor